quinta-feira, 22 de maio de 2008

Uma nova análise sob outros olhares

Vamos tentar fazer uma análise mais aprofundada do resultado da pesquisa de campo, usando os dados que obtemos e que foram publicados no penúltimo post. Aqui, agora, tentaremos fazer uma análise da personalidade das princesas e, conseqüentemente, das meninas que se identificam com cada uma delas. Assim, poderemos ter uma visão mais clara a respeito dos grupos que são formados, consciente ou inconscientemente, pelas meninas. É claro que nem todas elas obrigatoriamente se identificam com alguma princesa, mas o que queremos analisar é justamente as que obtêm uma identificação seja pela história, pelas atitudes ou pela personalidade.


Bela (Bela e a Fera)

Todas as meninas que se identificam com ela querem se casar, ter filhos, ter sucesso em suas atividades, ser feliz, ter um marido que as respeite e atenda a suas expectativas e necessidades.
De acordo com a história da Bela, ela procura por sua independência a partir do momento em que decide se casar com quem ela quiser, indo contra as vontades do pai. Isso demonstra uma certa independência, talvez um pouco de rebeldia, por não acatar a um desejo do pai. Talvez as meninas se identifiquem com essa "rebeldia", ou independência, essa atitude de querer viver sua própria vida da forma que lhes convêm.


Branca de Neve

É submissa a partir do momento em que fica cuidando da casa enquanto os setes anõezinhos saem para trabalhar. Sonha em ser feliz ao lado de um príncipe que lhe tiraria daquela vida. Em um determinado momento, quando o príncipe a beija, ela desperta para a vida. Talvez isso seja apenas o momento mágico em que a princesa encontra seu amado, ou talvez seja algo mais profundo, demonstrando que ela despertou de sua condição para viver uma vida mais feliz. As meninas que se identificam com ela procuram uma espécie de salvador que lhes tire de uma condição não muito agradável. Não que essas meninas vivam da mesma forma que a princesa. Mas às vezes, as condições desagradáveis podem ser no aspecto psicológico, emocional. Talvez elas estejam vivendo suas vidas de uma forma enquanto querem mesmo vive-la de outra forma, da forma que lhes parece ser mais agradável.


Ariel

É a mais rebelde de todas as princesas. Não dá ouvidos às ordens do pai e faz o que bem entende. Tem um certo problema com autoridade. Não respeita limites. Ainda assim, procura ser feliz da forma que lhe convém e fazer de sua vida o que lhe interessa. As meninas que se identificam com ela são aquelas meninas que apresentam um espírito rebelde, que não se conformam com o que lhes é imposto. Gostam de agir de forma independente. Mesmo que não hajam de forma mais independente, elas pensam dessa forma. Se não são capazes de se "rebelarem" contra algo, seja por consciência ou instinto, mantém o desejo de se destacar dentro de si, reprimindo um pouco suas vontades de fazer algo de forma diferente. Mas isso não significa que sejam conformistas. Apenas sabem o momento certo para ceder.


Cinderela

Ela é submissa, uma vez que acata todas as ordens que as madrastas lhe dão. Surge uma oportunidade em forma de fada madrinha e Cinderela a aproveita muito bem, pedindo para ir ao baile. Lá, conhece um príncipe, que no final lhe tira daquela vida que antes levava. Mais uma vez o príncipe é o herói, o salvador que tira as princesas de situações desagradáveis. Eles são vistos como a verdadeira chance do "felizes para sempre". As meninas que se identificam com ela sonham em ter sucesso profissional e pessoal, ao lado de um marido que tenha atitude e personalidade, além de ser companheiro, fiel e que transmita segurança. Ou seja, elas procuram a felicidade ao lado de uma pessoa amada, que possa transmitir-lhes o que elas mais desejam encontrar para seus futuros. Tentam, de certa forma, encontrar alguém que lhes preencham esses anseios.


Jasmim

Ela também se enquadra na lista de princesas que têm um certo espírito rebelde. Não gosta de acatar as ordens do pai. Aparenta não se importar com bens materiais e procura simplicidade. Gosta de ter uma certa independência. As meninas que se identificam com ela procuram esta independência, um futuro estável que lhes agrade, um marido que seja bonito, surpreendente e que as faça feliz. Notamos que, pela primeira vez, o quesito beleza aparece na escolha do “príncipe”, o que não significa que as meninas que se identifiquem com ela sejam superficiais, apenas que classificaram a beleza como um atributo de valor equivalente aos outros “pré-requisitos” levados em consideração na hora de escolher um namorado.


Mulan

Mulher de espírito inquieto, ela parte para uma batalha, vestida de guerreiro, no lugar do pai. Em determinado momento, ela assume sua verdadeira identidade ao se mostrar mulher perante todo o exército. Isso pode ser um sinal claro de afirmação, já que, para a sociedade, ela não era muito “qualificada” para ser esposa e dona de casa. O fato dela se afirmar como mulher pode dar a idéia de coragem, já que naquele momento, essa virtude foi muito necessária. As meninas que se identificam com Mulan, procuram um namorado que se identifiquem com sua personalidade, ou seja, talvez elas procurem rapazes que também sejam corajosos e tomem atitudes sábias quando necessário, que façam o que julgarem necessário para lutarem por seus ideais e pelo que acreditam. Essas meninas procuram também por mudanças, que tragam benefícios para si mesmas ou para quem as rodeia. Todas elas querem constituir família, ter sucesso profissional e viajar, o que também pode ser um sinal de que elas desejam explorar as possibilidades futuras, conhecer o, até então, desconhecido (como ocorre com a princesa a partir do momento em que ela decide ir para a guerra).


Pocahontas

Ela tem um espírito livre, gosta da natureza, das plantas e animais que a cercam. É aventureira e dedicada a promover harmonia ao seu redor. As meninas que se identificam com ela têm um espírito livre e mente aberta. São meninas que gostam de viver suas vidas como lhes convém e seguir seus instintos em todos os momentos. Além disso, o fato de uma das entrevistadas não ter definido o que quer para seu futuro, pode demonstrar o medo de se comprometer com uma idéia futura, ou simplesmente o não planejamento dele, o que por sua vez indicaria que essa menina quer viver um dia de cada vez e esperar para ver aonde a vida lhe levará, talvez exemplificando a personalidade aventureira da princesa.

No próximo post, iremos explicar a realização da pesquisa de campo número 2, na qual iremos ao shopping com as “princesas” para analisar seus comportamentos e atitudes no meio social.

Até o próximo post!

Beatriz Jorge.

Um comentário:

Ada Anjos disse...

Mulher de espírito inquieto, ela parte para uma batalha, vestida de guerreiro, no lugar do pai. Em determinado momento, ela assume sua verdadeira identidade ao se mostrar mulher perante todo o exército. Isso pode ser um sinal claro de afirmação, já que, para a sociedade, ela não era muito “qualificada” para ser esposa e dona de casa. O fato dela se afirmar como mulher pode dar a idéia de coragem, já que naquele momento, essa virtude foi muito necessária. As meninas que se identificam com Mulan, procuram um namorado que se identifiquem com sua personalidade, ou seja, talvez elas procurem rapazes que também sejam corajosos e tomem atitudes sábias quando necessário, que façam o que julgarem necessário para lutarem por seus ideais e pelo que acreditam. Essas meninas procuram também por mudanças, que tragam benefícios para si mesmas ou para quem as rodeia. Todas elas querem constituir família, ter sucesso profissional e viajar, o que também pode ser um sinal de que elas desejam explorar as possibilidades futuras, conhecer o, até então, desconhecido (como ocorre com a princesa a partir do momento em que ela decide ir para a guerra).

A inquietação é algo com o qual me identifico, mas costumo guardar isso para mim mesma.
Também não gosto de me sentir um fardo para meus familiares. Fazia bijuterias ou folhas de fichário pra vender no fundamental, até hoje faço artesanato, reciclagem e algumas roupas em casa. Em contrapartida detesto fazer faxina e só gosto de cozinhar doces!
Outra coisa interessante é que sofri bullying desde que comecei a estudar e sempre fui desvalorizada e inferiorizada pelos colegas de turma, por mais que os professores me elogiassem. Cheguei a recorrer as artes marciais para me defender e até criei gosto pelo esporte, mas tudo o que queria era afirmar meu valor para passar a olhar os outros de igual pra igual ao invés de sempre me sentir inferior e foi isso que fiz durante meu ensino médio.
No caso de mudanças admito ser um pouco covarde para inicia-las, mas venho buscando mudar meu olhar sobre o mundo, superar obstáculos e me livrar de defeitos desde quando repeti a 6ª série. Comecei me dedicando ao máximo nas disciplinas que gostava e depois comecei a participar de amostras e competições artísticas do colégio em que estudei, me esforçando pra ignorar o nó na garganta e mostrar meu valor. Pintei, desenhei, participei de concurso de poesia, me arrisquei a dançar, atuar e por ultimo cantar (nesse último quase desmaiei rsrs) na frente de todos que um dia bateram em mim e me humilharam. Só que o mais importante para que tudo não tivesse sido em vão foi perdoar a todos que me magoaram pra poder estar vivendo as novas páginas da minha vida!
Hoje faço faculdade de história da arte, pretendo algum dia retomar a faculdade de moda, me livrei de algumas fobias, estou quase 100% livre da depressão, viajei por alguns lugares do meu estado e até visitei um estado vizinho esse ano, estava fazendo um curso de japonês e mesmo dando uma pausa tento aprender algo em casa mesmo, espero um dia poder conhecer alguns países da Ásia, consegui trabalhar de carteira assinada pela primeira vez, estou aprendendo flauta transversal, pretendo convencer minha irmã caçula a me ensinar violino, uso maquiagem e tenho prazer em me arrumar, fiz as pazes com meus cachos, vou voltar ao tratamento de coluna e talvez fazer academia para um dia voltar ao taekwondo...